Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

ONU - Direitos Humanos: Publicidade de alimentos infantis deve ser proibida.

Por: Prof, Marcus Renato de Carvalho, IBCLC

 /

Relatores da ONU pedem fim da publicidade de supostos substitutos ao leite materno

Especialistas em direitos humanos das ONU - Nações Unidas disseram na terça-feira (22) que os países precisam fazer mais para proteger o aleitamento materno como um direito humano, o que inclui acabar com a publicidade inadequada de supostos substitutos e outros alimentos dirigidos às lactentes e crianças pequenas.

 Foto: Agência Brasil/Wilson Dias

AMAMENTAÇÃO como DIREITO HUMANO

                       Especialistas em direitos humanos das Nações Unidas disseram na terça-feira (22) que os países precisam fazer mais para apoiar e proteger a amamentação  como um direito humano, o que inclui acabar com a publicidade inadequada de supostos substitutos e outros alimentos dirigidos às lactantes e a crianças pequenas.

A declaração conjunta foi emitida pelos relatores especiais para o direito à alimentação e à saúde, pelo grupo de trabalho sobre a questão da discriminação contra a mulher na legislação e na prática e pelo Comitê dos Direitos da Criança, todos das Nações Unidas.

Citando novas evidências publicadas pela revista The Lancet no início deste ano, os especialistas destacaram a importância e os vários benefícios do aleitamento materno, tanto para a mãe como para o filho. Também expressaram preocupação pela falta de progresso quanto ao aumento das taxas de aleitamento materno mundialmente, e à falta de apoio e proteção às mulheres e seus filhos.

Os especialistas expressaram especial preocupação com a contínua publicidade enganosa de substitutos ao leite materno e outros alimentos destinados a lactantes e crianças pequenas, e citaram a pouca responsabilidade corporativa diante das consequências adversas de tais práticas de mercado.

Essas práticas, segundo os especialistas, continuam prejudicando os esforços para melhorar as taxas de aleitamento materno bem cedo e exclusivo. As práticas de mercado atuam como barreiras para que as mulheres exerçam seus direitos, já que em média afetam negativamente a escolha e a capacidade das mães de desfrutar dos muitos benefícios proporcionados pelo aleitamento materno.

Os especialistas elogiaram os renovados esforços mundiais para proteger e apoiar o aleitamento materno e para reduzir a publicidade inadequada de alimentos preparados comercialmente para lactantes e crianças pequenas. No entanto, pediram que os governos façam mais, e destacaram que o aleitamento materno é uma questão de direitos humanos para os bebês e para as mães, e deve ser protegido e promovido em benefício de ambos.

Com esse objetivo, os relatores da ONU pediram aos governos que reconheçam suas obrigações fundamentais sob a Convenção sobre os Direitos da Criança e outros instrumentos de direitos humanos das Nações Unidas de respeitar, proteger e cumprir o direito das crianças à vida, à sobrevivência e ao desenvolvimento, assim como seu direito a receber alimentos inócuos e nutritivos e ao desfrute em grau máximo de saúde; e de garantir que os direitos das mulheres estejam protegidos contra a influência prejudicial dos agentes não estatais, particularmente do setor empresarial.

Também pediram que os governos cumpram suas obrigações e tomem todas as medidas necessárias para proteger, promover e apoiar o aleitamento materno e a colocar fim à promoção inadequada de substitutos ao leite materno e outros alimentos destinados a lactantes e crianças de até 3 anos.

Essas medidas incluem a adoção e aplicação de uma legislação integral para pôr fim às práticas inadequadas de publicidade, proporcionar a proteção adequada à maternidade e proteger as mulheres da discriminação vinculada ao aleitamento materno.

Aleitamento.com esclarece:

Felizmente no Brasil temos a NBCAL – um conjunto de leis e resoluções que regulamentam a promoção comercial de fórmulas, alimentos infantis, mamadeiras, bicos, chupetas desde 1988.

 

 


Última atualização: 28/11/2016

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
22 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital