Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

CALOR + AMOR + CONTATO + COLO + SABOR de MÃE

Por: Marcus Renato de Carvalho

Mãe canguru: o prematuro cresce, sentindo cheiro, sabor e o calor materno
 
Pediatra observa quanto é importante para o neném que
 
chegou antes da hora

ficar grudadinho ao peito da mamãe

 

 
MÃE–CANGURU: O afeto salva vidas!

O nascimento de um bebê prematuro é um choque para os pais e um desafio para profissionais e serviços de saúde. Mesmo dentro de uma UTI neonatal equipada com alta tecnologia, é impossível prover ao recém nascido humano todas as condições ótimas em que o bebê gozava dentro do útero materno.


* Foto de William Santos - Maternidade Escola - UFRJ


Mas, em 1979, na Colômbia, os neonatologistas E. Sanabria e H. Martinez tiveram a idéia de manter os prematuros em contato permanente com suas mães, em “posição canguru”. O método permite que estes bebês sejam aquecidos com o calor ideal, recebam um leite “precoce” especialmente produzido por suas próprias mães e continuem recebendo o contato, o carinho, a voz e os movimentos de suas mães, em seu colo. Com esta “nova” tecnologia – o Cuidado Mãe-Canguru, as taxas de infecções hospitalares, o tempo de internação e o abandono diminuíram, o tempo de sobrevivência foi prolongado, assim como a qualidade de vida destes frágeis seres. Dessa forma, as incubadoras foram substituídas e o custo reduzido.

O método Mãe Canguru consiste, resumidamente, no contato pele a pele, entre a mãe e o recém-nascido de baixo-peso (menor que 2.500g) e/ou prematuro, com a colocação do bebê no seio materno, na posição vertical. A utilização do termo “mãe” não exclui a participação do pai ou de outros familiares.

MÃES e PAIS também PREMATUROS

Ter um bebê prematuro pode trazer aos pais sentimentos perturbadores como a culpa, pôr acharem que fizeram algo que possa ter provocado esta situação ou tenham deixado de tomar alguma medida preventiva. O fato de estarem separados nestes momentos iniciais, já que o bebê está na UTI convencional (onde a metodologia canguru não é praticada), podem potencializar estas emoções. Uma primeira atitude é reconhecer e expressar estas sensações para os profissionais de saúde. Conversar com outros casais que já passaram por esta situação também é recomendável. O contato íntimo que o cuidado mãe-canguru propicia vai resgatando a auto-estima destes pais, fazendo com que se sintam úteis e participem mais ativamente da recuperação do seu bebê. Uma “gestação extra uterina” é vivenciada, beneficiando pais e filho.

NECESSITAM de uma ALIMENTAÇÃO ESPECIAL

O colostro - um líquido amarelado que brota das mamas maternas, durante a gestação, até que desça o leite materno - é riquíssimo em anticorpos e possui células vivas, os leucócitos. É facilmente digerido, tem propriedades laxantes, o que previne a icterícia neonatal, contém hormônios e fatores de crescimento, além de muitos outros nutrientes que não devem ser desperdiçados. Às vezes, ele é ofertado em minúsculos conta-gotas, o que já causa um grande efeito (nutrição trófica), prevenindo a enterocolite necrosante, uma patologia intestinal freqüente nestes recém natos.

Mães de bebês prematuros produzem um leite especial para seus filhos, com maior teor protéico, imunológico e menor de lactose do que o "leite a termo" (37-42 semanas de idade gestacional).

Recém nascidos de menos de 30 semanas de idade gestacional precisam se alimentar por um tubo ou sonda gástrica ou ainda pôr alimentação parenteral (endovenosa), devido a suas características. Com 30-32 semanas de idade a alimentação por copinho, colher ou conta-gotas é possível. Em torno das 32 semanas de gestação, tendo ele aproximadamente 1.300g., a amamentação às vezes é possível. Com 36 semanas e com mais ou menos 1.800g. a alimentação ao seio é bem coordenada e viável.

Felizmente, desde 1999, o Brasil reconheceu esta metodologia, amplamente utilizada no SUS, que normatizou e capacitou pessoal para sua adequada implantação. Algumas maternidades particulares também já adotaram este novo paradigma de cuidado neonatal humanizado.


 

* Mãe-Canguru será um dos muitos e interessantes temas do

XVI ENCONTRO de GESTAÇÃO e PARTO NATURAL CONSCIENTES

 nos dias 24-26 de novembro próximos no Espaço Tom Jobim no Jardim Botânico - Rio de Janeiro.

   Lá estarei e espero encontra-los.

Marcus Renato de Carvalho

 

Publicado no Blog SAÚDE MÃE-PAI-BEBÊ dO Globo Online

 em 20 de novembro de 2006

http://oglobo.globo.com/blogs/saudebebe/
 


Última atualização: 6/7/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
22 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital