Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

Dia da MULHER: por um Planeta 50-50 já! + 70 anos de Disparidade Salarial?!

Por: Marcus Renato de Carvalho

 /

ONU Mulheres destaca paridade de gênero no Dia Internacional da Mulher e conclama um “Planeta 50-50 em 2030

 

O tema global para o Dia Internacional da Mulher 2016 é “Por um planeta 50-50 em 2030: um passo decisivo pela igualdade de gênero”.

A observância das Nações Unidas neste 8 de março irá refletir sobre a forma de acelerar a Agenda 2030, criando uma dinâmica para a implementação eficaz dos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O enfoque será sobre novos compromissos firmados em torno da iniciativa da ONU Mulheres “Planeta 50-50” e os que já estão execução sobre igualdade de gênero, empoderamento das mulheres e direitos humanos das mulheres.

Em Nova Iorque, a comemoração oficial acontecerá na sede das Nações Unidas a partir das 10h, com presença da diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka. Estão programados uma série de apresentações musicais e dois painéis de discussão. O primeiro deles

“Para você, o que significa um Planeta 50-50? ”,

entre 10h e 11h15, abordará reflexões sobre o que significa um planeta com igualdade e como alcançá-la em 2030, unindo os esforços das Nações Unidas, dos governos, da sociedade civil e do setor privado. Dentre as pessoas convidadas para exposição, está o embaixador Antonio Patriota, representante permanente do Brasil nas Nações Unidas. Neste ano, o país presidirá os trabalhos da 60ª Sessão da Comissão sobre a Situação das Mulheres, que se iniciará n a próxima semana, em 14 de março, até o dia 24, em Nova Iorque.

No segundo painel, intitulado “Impulso para a paridade”, estarão em evidência os progressos realizados pelo Sistema das Nações Unidas em prol da igualdade de gênero, verificando os desafios existentes e as oportunidades de integração da perspectiva de gênero. Essa atividade está prevista para ocorrer entre 11h15 e 12h45. 

Ainda no Dia Internacional da Mulher, às 9h, a diretora executiva-adjunta da ONU Mulheres, tocará o sino de abertura da New York Stock Exchange. Eventos similares estão organizados em 34 países como parte dos esforços conjuntos de sensibilização da ONU Mulheres com o Pacto Global pelo empoderamento econômico.

Em todo o mundo, a ONU Mulheres está organizando eventos alusivos ao Dia Internacional da Mulher, com programação em mais de 40 países. Entre eles: uma partida de hóquei entre mulheres e homens na Tanzânia, em 5 de março; rali e passeio ciclístico em Nova Deli, na Índia, em 6 de março; festival com apresentações musicais ao vivo e dança, na Palestina, em 08 de março; marchas, jogo de futebol e pintura exposições em toda a Albânia, de março 5-8; e uma corrida pelos direitos das mulheres, em São Paulo, em 20 de março.

 

OIT:

paridade salarial entre mulheres e homens vai levar mais de 70 anos

Edgard Júnior
Da Rádio ONU em Nova York

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmou que a paridade salarial entre mulheres e homens vai levar mais de 70 anos para ser alcançada. A nível global, a diferença diminuiu apenas 0,6% entre 1995 e 2015.

A conclusão consta do relatório Mulheres no Trabalho: Tendências 2016, divulgado nesta segunda-feira (7). O documento diz ainda que "o progresso alcançado para colocar mais mulheres no mercado de trabalho foi insuficiente".

Desvalorização

Atualmente, as mulheres ganham 77% do salário que os homens recebem para executar o mesmo tipo de função. A OIT afirma que isso não pode ser explicado apenas por diferenças na educação ou idade.

Segundo a agência, essa lacuna está ligada à desvalorização do trabalho realizado pelas mulheres e das habilidades exigidas pelos setores ou empregos dominados por elas.
Em entrevista à Rádio ONU, o diretor do escritório da OIT em Nova York, Vinícius Pinheiro, falou sobre os principais pontos do documento.

"O relatório mostra, por exemplo, que a brecha em relação à participação da mulher no mercado de trabalho é de 27 pontos percentuais. O relatório mostra também que as mulheres têm uma maior probabilidade de estar desempregadas e de estar em empregos de baixa qualidade e empregos na economia informal. O relatório mostra que as mulheres trabalham um maior número de horas do que os homens e ganham menos em relação à mesma posição."

Pinheiro falou também sobre as recomendações da OIT para resolver esse problema.

"Primeiro, é fundamental acabar com essa diferença salarial no mercado de trabalho. Não existe qualquer motivo para que uma mulher que tenha o mesmo desempenho, que esteja na mesma posição de um homem na força de trabalho, tenha um salário diferente. Em segundo lugar, é fundamental reconhecer, reduzir e redistribuir o trabalho doméstico, que não é assalariado e que é feito em casa. As mulheres também têm uma carga maior em relação ao trabalho doméstico. O acesso ao sistema de proteção social também é fundamental, incluindo benefícios para a maternidade e creches."

178 países

O relatório da OIT mostra que a desigualdade entre homens e mulheres acontece numa grande variedade de todos os setores profissionais do mundo inteiro.

A pesquisa, feita em 178 países, revelou ainda que as mulheres trabalham mais horas do que os homens nos setores que pagam os salários mais baixos.

Segundo a agência da ONU, as opções de emprego para as mulheres estão piores agora em comparação a 1995. A proporção da força de trabalho feminina permaneceu praticamente igual nos últimos 20 anos.

Brasil

No Brasil, a OIT diz que 36% das mulheres ocupam empregos informais. Ao mesmo tempo, diz que o programa de microempresários, lançado pelo governo em 2009, reduziu os custos para a abertura de empresas por pessoas de baixa renda, especialmente mulheres.

O relatório mostra que no primeiro ano do programa, 1,9 milhão de pessoas se cadastraram, sendo que 46% foram mulheres.

A OIT mencionou os avanços em relação às trabalhadoras domésticas, que já têm o mesmo tipo de proteção dado aos outros trabalhadores, como por exemplo carga horária de 44 horas por semana. Segundo o documento, novas medidas, como o pagamento de hora extra, promovem ainda mais o trabalho decente no país.

Entre os programas de assistência social de maior impacto, a OIT diz que o Brasil sem Miséria, que amplia o Bolsa Família cobre as regiões Norte e Nordeste do país.

A agência explica que eles fornecem microcrédito e treinamento para mulheres. Além disso, cita também o Brasil Carinhoso para fornecer serviços de creche a crianças menores de seis anos. Pelo menos 580 mil estão sendo beneficiadas.

América Latina

Na América Latina, mais mulheres estão trabalhando. Houve um aumento percentual em comparação à população da região. As razões para essa alta foram a melhora da educação e redução dos índices de nascimentos.

As maiores diferenças salariais entre homens e mulheres foram registradas no Oriente Médio, norte da África e sudeste da Ásia.

Essa diferença tem um impacto também na aposentadoria. No mundo, as mulheres representam quase 65% das pessoas que estão na idade de receber os benefícios de aposentadoria e pensões, mas não recebem absolutamente nada.

200 milhões

Isso representa um total de 200 milhões de mulheres idosas sem qualquer rendimento pela sua idade ou pensão do marido. No caso dos homens, 115 milhões, pouco mais da metade, estão nessa situação.

O relatório confirmou algo que já é de conhecimento público há muito tempo, o fato de as mulheres ainda serem responsáveis pela maior parte dos afazeres domésticos.

Outro ponto mencionado pela OIT é que as mulheres também, em sua maioria, ficam responsáveis pelos cuidados de parentes doentes e fazem isso sem qualquer tipo de remuneração.
Para os especialistas da agência da ONU, "esses obstáculos impedem as mulheres de encontrar empregos de longo prazo, mais especializados e com salários mais altos".

                         

Todo nosso apoio e reconhecimento às MULHERES! 

www.aleitamento.com 

 


Última atualização: 8/3/2016

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
22 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital