Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

AMAMAMENTAÇÃO PREVINE DISTÚRBIOS ORTODÔNTICOS

Por: Daniela Nogueira, SEGS.com.br

   

    Ilustração dos cursos do aleitamento.com
 

ALEITAMENTO MATERNO  REDUZm PROBLEMAS ORTODÔNTICOS 

Pesquisa da Universidade Cidade de São Paulo revela que amamentar por mais de 12 meses reduz em 93% a prevalência de alterações na oclusão dentária.

 

Mães que amamentam seus filhos por mais de um ano contribuem para reduzir em até 93% a possibilidade das crianças desenvolverem problemas ortodônticos no futuro. É o que aponta uma das maiores avaliações já realizadas no país sobre alterações na oclusão dentária durante a infância, desenvolvida pelo Programa de Mestrado em Ortodontia da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID).

 

O trabalho do cirurgião-dentista Henri Menezes Kobayashi, que teve como base a avaliação de 1.377 crianças de 3 a 6 anos, matriculadas em 11 escolas públicas de educação infantil situadas na Zona Leste da cidade de São Paulo, foi premiado recentemente, na 24ª Reunião da Sociedade Brasileira de Pesquisa Odontológica (SBPqO). A pesquisa concorreu com outros cinco mil trabalhos de todo o país.

 

De acordo com o orientador da pesquisa, professor Dr.Hélio Scavone Júnior, os resultados são extremamente importantes, pois fornecem embasamento científico essencial para a realização de campanhas educativas e preventivas, visando estimular a amamentação por períodos prolongados, se possível além dos 12 meses. "A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde do Brasil já recomendam que as mães amamentem seus filhos por seis meses, no mínimo, tendo em vista os inúmeros benefícios que este ato oferece, como o fortalecimento do sistema imunológico e dos laços afetivos entre e a mãe e seu bebê. O estudo reforça essa recomendação e, inclusive, está alinhado com a proposta do governo de ampliar o período de licença maternidade", afirma.

Kobayashi, durante a realização de sua Tese de Mestrado, investigou durante dois anos os períodos de amamentação exclusiva e sua relação como fator de risco para o desenvolvimento de alterações na oclusão dentária, durante a fase da dentição de leite. Com este objetivo, as mães das crianças avaliadas responderam questionários sobre quanto tempo elas haviam oferecido o leite materno aos seus filhos, sem utilização de mamadeiras.

 

Paralelamente, foram efetuados exames ortodônticos nas crianças.

Após o cruzamento das informações, concluiu-se que as crianças que receberam amamentação exclusivamente materna, durante mais de doze meses, apresentaram um risco vinte vezes menor para o desenvolvimento de problemas ortodônticos, particularmente as mordidas cruzadas posteriores. Além disso, as crianças amamentadas ao peito durante um período variando entre 6 a 12 meses, apresentaram um risco cinco vezes menor para estas mesmas alterações no relacionamento dentário.

 

A pesquisa também inova ao trabalhar com uma das maiores amostras já avaliadas até o momento. "As pesquisas existentes sobre alterações na oclusão dentária apresentavam resultados contraditórios e muitas vezes inconclusivos. Algumas delas apenas sugeriam a existência de uma relação entre a amamentação e a redução no desenvolvimento de problemas ortodônticos, enquanto que outras não conseguiam comprovar esta associação. Estes resultados divergentes podem ser creditados, em muitos casos, ao número reduzido e insuficiente de crianças analisadas em estudos anteriores", explica o orientador.

 

Para a diretora do curso de Odontologia, Dra. Dalva Cruz Laganá, o resultado é extremamente relevante tanto para a pós-graduação como para o curso de Odontologia, de um modo geral. "O prêmio enfatiza a qualidade do ensino oferecido em nossos cursos e o alto nível das pesquisas aqui produzidas", afirma.[14]

 

Sobre o Programa de Mestrado em Ortodontia

Credenciado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em 1999, o Programa de Mestrado em Ortodontia da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID) tem como objetivo preparar profissionais com ampla experiência clínica, profundo conhecimento biológico e capacidade didático-científica. O programa conta com três linhas de pesquisa: Cefalometria e Antropometria, Biomecânica e Metalurgia em Ortodontia e Epidemiologia, Diagnóstico e Terapia Ortodôntica.

 

 

 

"O enfoque Fono-Odontológico mudou a assistência e abordagem do  Manejo Clínico da Lactaçãonos últimos anos."   

Prof. Marcus Renato de Carvalho

 

 


Última atualização: 9/2/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
23 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital